Públicos

Grupos

A Ação Educativa do Museu de Arte Sacra de São Paulo oferece uma série de atividades para grupos agendados (visitas educativas, jogos educativos, oficinas e ateliês) para que possam ter uma experiência lúdica, crítica e prazerosa com o acervo.

Os grupos recebidos têm um perfil diversificado: estudantes, professores, educadores, turistas estrangeiros e nacionais, profissionais de turismo, adultos, famílias, crianças, pessoas com deficiência ou em situação de vulnerabilidade social.

Professores / Educadores

Os professores e educadores são entendidos enquanto parceiros do processo educativo no Museu de Arte Sacra de São Paulo. Por meio do Programa de Orientação ao Professor incentiva-se esses profissionais a explorar o Museu, entendido enquanto um espaço que propicia o diálogo interdisciplinar.

Para tal são organizados encontros com diferentes abordagens do acervo, em que ocorrem trocas entre o grupo de professores e educadores do Museu a partir da discussão de estratégias de sensibilização do olhar para o objeto. Em última instância, entende-se o professor enquanto um agente multiplicador, responsável pela difusão do acervo junto aos educandos.

São realizados no último sábado do mês, durante os meses letivos, encontros para professores gratuitos com duração de oito horas sobre temáticas afins ao acervo, totalizando seis encontros ao ano e visitas integradas para professores com museus parceiros, trimestralmente.

Profissionais de Turismo

Entendemos a importância do diálogo com os profissionais que atuam junto aos públicos que visitam o museu: guias cadastrados no CADASTUR, profissionais de agências de turismo cultural e pedagógico e estudantes das áreas de Turismo, Hotelaria, Hospitalidade e Lazer.

O Programa de Formação de Profissionais de Turismo objetiva apresentar o acervo do Museu de Arte Sacra de São Paulo aos profissionais que atuam no segmento do Turismo por meio da realização de encontros gratuitos regulares.

Os encontros são organizados a partir de uma proposta metodológica em que se privilegia o diálogo com os participantes a fim de estimular reflexões críticas sobre temáticas relativas ao acervo. Objetiva-se estimular esses profissionais a trazerem grupos para realizar visitas espontâneas e agendadas ao complexo do Mosteiro da Luz, bem como a realização de roteiros que estabeleçam conexões entre o Museu e demais equipamentos culturais da região central da cidade. Atualmente este encontro é realizado na terceira quinta-feira do mês, com duração de quatro horas, quatro vezes ao ano, alternando-se edições no período matutino e vespertino.


Acessibilidade | Inclusão Sociocultural

Cientes do papel social do museu enquanto agente que dialoga com os diferentes grupos sociais, buscamos minimizar as barreiras físicas, culturais ou socioeconômicas que impossibilitam ou dificultam o acesso a determinados grupos às instituições culturais. Desenvolvemos os Programas de Acessibilidade e Inclusão Sociocultural pelos quais são atendidos àqueles que durante muito tempo convencionou-se em nomear como não-públicos de museus.

Participam das ações concebidas nesses programas: pessoas com deficiência ou transtornos psicossociais, idosos, crianças na fase da primeira infância, refugiados, mulheres transexuais e travestis, adultos em situação de rua, albergados e famílias em situação de vulnerabilidade social.

As atividades organizadas para esses públicos procuram sempre estabelecer o diálogo, respeitando sua autonomia e protagonismo às luzes de temáticas nas quais se reconheçam a fim de que possam se sentir sujeitos ativos e não apenas assistidos nas atividades realizadas.


Adultos | Crianças | Famílias

O Museu de Arte Sacra é um importante espaço de lazer e aprendizagem para crianças, adultos e famílias que espontaneamente visitam-nos em seu tempo livre. A fim de propiciar uma experiência prazerosa a esses públicos, são desenvolvidas atividades regulares enquanto parte do Programa Interessante e Interativo.

As atividades contemplam os formatos mais variados: oficinas, rodas de conversa, caminhadas e intervenções no território Luz/Bom Retiro, piqueniques no jardim etc. Por meio de diferentes linguagens artísticas (desenho, fotografia, música), da prática de jogos de tabuleiro e teatrais, procura-se construir um ambiente acolhedor em que o público se sinta partícipe e coautor das atividades que exploram o acervo e o complexo do Mosteiro da Luz a partir de uma visão transdisciplinar.

Compartilhar