Após sete meses fechado ao público devido a pandemia da Covid-19 o Museu de Arte Sacra de São Paulo reabre as suas portas com uma nova exposição de longa-duração intitulada “Arte Sacra Através dos Séculos”, que conta com a inserção de peças da “Via Crucis” de Victor Brecheret. O conjunto feito em terracota entre os anos de 1942 e 1946 compõe as 14 estações que descrevem os últimos momentos da vida de Jesus. No mesmo espaço o visitante pode contemplar outras obras com temática sacra feitas por artistas modernistas brasileiros como Anita Malfatti e Aldo Bonadei.

O Museu de Arte de São Paulo possui um rico acervo de peças do patrimônio artístico e histórico-cultural religioso brasileiro e mundial, que permite compreender a dinâmica social e cultural que marcou o desenvolvimento da religiosidade e da identidade paulista e brasileira.

A fundação da cidade de São Paulo, pelos membros da Companhia de Jesus, deu início a um processo de evangelização da Igreja católica no planalto de Piratininga, que foi sendo enriquecido, ao longo dos anos, com a contribuição de outras ordens religiosas, bem como de indígenas, africanos, imigrantes. Diferentes artistas materializaram a fé, buscando garantir a evangelização cristã e o diálogo com outras culturas.

A exposição “Arte Sacra Através dos Séculos” tem como objetivo favorecer o entendimento da produção artística brasileira, entre os séculos XVI e XX, de forma a criar um percurso expositivo, que enriqueça a experiência pessoal do visitante na sua leitura sobre a arte sacra. A proposta foi recuperar a memória da cultura religiosa por meio de uma narrativa que favoreça  o entendimento da experiência da fé, da devoção e das práticas litúrgicas.

A preservação, valorização e salvaguarda do patrimônio de arte sacra é importante e deve ser uma atividade permanente. O passado é responsável pela construção do sentido de pertença de uma comunidade e responsável por reforçar os vínculos de identidade coletiva. Manter uma viva relação entre o patrimônio e a comunidade é determinante, porque a “memória é sempre vivida”.

___

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

De terça a Domingo das 10h às 17h – Com acesso permitido até às 16h30.
O acesso prioritariamente será feito mediante compra antecipada de ingresso com horário reservado para entrada.


VALORES

Inteira – 
R$ 6,00

Meia entrada – R$ 3,00 
Gratuito aos Sábados


ISENTOS DE PAGAMENTO

  • Crianças até 7 anos.
  • Professores, coordenadores e diretores, supervisores, quadro de apoio de escolas públicas (federais, estaduais ou municipais) e quadro da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, com apresentação do holerite do mês corrente ou anterior (impresso ou digital). A gratuidade é estendida a cônjuge ou companheiro(a), filhos e menores tutelados ou sob guarda que acompanharem a visita.
  • Pessoas com deficiência. A gratuidade é estendida a 1 acompanhante.
  • Policiais militares, civis e da Polícia técnico-científica da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, com apresentação do holerite do mês corrente ou anterior (impresso ou digital). A gratuidade é estendida ao cônjuge ou companheiro (a), filhos e menores tutelados ou sob guarda que os acompanharem na visita.
  • Associados ao ICOM, mediante apresentação de carteirinha.
  • Agentes e Guias de Turismo cadastrados na CADASTUR mediante apresentação de carteirinha.
  • A isenção também é oferecida às Ordens Religiosas e Membros do Clero Diocesano: Bispos, Padres, Freiras e Seminaristas.

Veja o making-off da inserção de peças na mostra permanente. O conjunto, vindo da Pinacoteca do Estado, é recebido pelo MAS/SP em comodato com o Hospital das Clínicas de São Paulo, proprietários dos originais cujas cópias em bronze se encontram na Capela do HCSP. “É um grande ganho para o Museu uma vez que está começando seu acervo relativo ao século XX“, diz Beatriz Cruz, museóloga da instituição.

Compartilhar