OBJETIVO GERAL
As obras de arte do Renascimento e do Barroco possibilitavam a construção de um discurso intelectual sofisticado por meio de símbolos e alegorias que ofereciam várias possibilidades de interpretação e que representavam inclusive princípios heréticos e ocultos. Os temas religiosos, principalmente, ofereciam possibilidades combinatórias diversas, pois eram ricos em sentidos e significações. No Brasil, esses elementos ocultos eram submetidos às interpretações religiosas cristãs e misturados às tradições indígenas e africanas. O simbolismo disfarçado dos objetos e das artes era uma forma de mostrar o sentido elevado da realidade, da natureza e do mundo espiritual. Um acontecimento histórico e real poderia ser visto como uma alegoria dos atos de Deus sobre os homens ou do sobrenatural sobre as atividades humanas. O cosmos não se manifestava apenas por palavras, mas também por atos e imagens. Para a igreja cristã que se estabelecia no Brasil, os saberes dos autores clássicos e a tradição medieval seriam os reais antecipadores da religiosidade católica romana, mas, e ao mesmo tempo, crenças, rituais e visões de mundo de indígenas e africanos comporiam a identidade e a mentalidade cultural, religiosa e artística desse mesmo território. Esses valores se firmariam mesmo durante o século XIX, já com a presença da corte no Brasil e a instalação da estética neoclássica. Seus rastros podem ainda ser sentidos em pleno Brasil República. O curso está centrado assim na interpretação da tradição artística brasileira por meio do estudo de sistemas de crenças, rituais e discursos simbólicos. Vamos pensar como se unem culturalmente racionalidade/irracionalidade; sagrado/profano; crenças/rituais; arte/religião. O objetivo do curso é entender como a arte no Brasil possibilitou um fenômeno marcado fundamentalmente pela transcendência (mitos, crenças, visões, ritos e magia) e como, muitas vezes, esse discurso ficou camuflado sob outros temas ou obras socialmente aceitos.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Apresentar as crenças, os rituais, o oculto e o conhecimento cosmológico como material reflexivo para o entendimento da arte e da cultura brasileira;
  • Analisar, criticar e contextualizar a arte por meio das regras de composição do discurso que incluíam o pensamento simbólico e místico;
  • A arte em modelos, tratados, protocolos e o uso dos diversos discursos para a composição e a produção da arte.
  • Mostrar a arte como um campo interdisciplinar do conhecimento: Literatura, História, Filosofia, Sociologia, Antropologia, Psicologia, Teologia etc.;
  • Escolher temas específicos para diversos trabalhos de pesquisa e estimular a produção de projetos em que a utilização da arte esteja presente.

CONTEÚDO

AULA 1– A descoberta do Brasil pelos europeus: céu, inferno ou purgatório
A Europa do século XVI. Portugal dos Descobrimentos. A expansão do cristianismo pelo mundo e o espírito de cruzada. O estilo manuelino. A Terra de Santa Cruz. As primeiras igrejas.

AULA 2 – A visão do Paraíso: experiência e fantasia
Os descobrimentos do interior do Brasil. Visões de riquezas, serras brilhantes, pedras preciosas e os rios do Éden.  Histórias de caminhos, seres fantásticos e cavaleiros de outrora.  A representação material e imaterial do lugar onde Deus pusera a América portuguesa. As primeiras imagens produzidas.

AULA 3 – O Paraíso Perdido
A América “diabólica”. A antropofagia ritual dos índios. O tráfico de escravos e os saberes vindos da África. A violência colonial. Jogos de coerção e resistência. O castigo exemplar: a diabolização do índio e do negro. Um povo pecador para uma economia santa.

AULA  4 – A expansão do cristianismo no Brasil: Ordens Religiosas, Ordens Terceiras e Irmandades
A história do Cristianismo no Brasil. As Ordens religiosas, suas origens europeias, as devoções e o fazer artístico de seus religiosos. A tradição das ordens terceiras e das irmandades do Brasil colonial. As associações religiosas de irmãos leigos: patronos, festas, sociabilidades e o fazer artístico. O Barroco como arte pedagógica e o mundo como objeto de decifração dos desígnios divinos. O regramento da religiosidade e da superstição.

AULA 5 – Práticas mágicas e vida cotidiana
Infrações, heresias, degredos e mentalidades. Pactos, calundus, catimbós, possessões, adivinhações, curas, bolsas de mandinga, orações, sonhos e metamorfoses. A importância da América para a bruxaria europeia. Conceitos de heresia e doutrina da punição. O medo da Inquisição.

AULA  6 – Espiritualidade e saúde
Relações mente/corpo. Distúrbios. Enfrentamento religioso/espiritual. Espiritualidade e saúde mental. Cura e fé. Promessas e Benzeduras.  Medicina popular. Plantas Ritualísticas, plantas alucinógenas, plantas para incensar, benzer e proteger. Plantas alimentícias, medicinais e tóxicas. Representações do corpo e práticas de cura entre sistemas religiosos e cosmológicos de rituais xamânicos, religiões afro-brasileiras e medicina popular. O uso simbólico das plantas no cotidiano. A linguagem das flores e das frutas.  As plantas na arte barroca brasileira. Ex-votos e arte.

AULA 7 – Os amores ambíguos
As aventuras do corpo. Feiticeiras, alcoviteiras, cartas, orações e sortilégios. As moralidades depois do Concílio de Trento. O domínio da sexualidade transgressiva. A Inquisição.  A prática da delação e as fofocas na sociedade colonial. A arte que pretende doutrinar os corpos. Os casamentos místicos.

AULA 8 – As revelações místicas
Biografias de homens, mulheres e santos. José de Anchieta e a catequização. Frei Galvão e as pílulas para a cura. A Nossa Senhora encontrada nas águas do rio. Rosa Egipcíaca e as visões em Minas Gerais. Os ermitões e a Serra da Piedade. A hagiografia e a mariologia colonial. Os santos como padrão para a arte. As visões como padrão para a arte.

AULA 9 – Religiosidade Popular
O sagrado e o profano. Festas religiosas populares. As devoções e a arte negra. Festa de São João. Festa do Divino. Círio de Nazaré etc. Os diálogos artísticos e a inserção da arte.

AULA 10 – Os espíritos na corte brasileira
Os mortos governando os vivos. Os encontros sociais. O Espiritismo e as mesas volantes. Imortalidade da Alma. Reencarnação. Mediunidade. As ideias que vieram da França. Sociedades e fraternidades ocultistas.  O Hermetismo e o Ocultismo como sinônimo de cultura e letramento

AULA 11 – O Império no Brasil: Literatura Romântica e Artes Plásticas
A busca por textos medievais. Decifrar significações tidas como verdades sagradas, ocultas na natureza, nas palavras e nos discursos. O sentido espiritual de textos e de imagens. A linguagem figurada dos textos das Escrituras. A interpretação do sagrado que se esconde nas coisas da natureza e nas coisas dos homens. Apropriações na arte das culturas americanas e europeia

AULA 12 – Brasil Republicano: Ciência x Religiosidade
A Proclamação da República e a construção dos grandes mitos. Manifestações da crença na vinda ou retorno de um divino libertador: Juazeiro, Canudos, Contestado. A arte relendo a História do Brasil: Tiradentes como mártir, os profetas de Congonhas e a Inconfidência Mineira. O uso simbólico e religioso de vultos históricos brasileiros pela arte. A História transcendente. Apropriações na arte do discurso científico e religioso.


A quem se destina
O conteúdo oferece embasamento para estudiosos de Arte, historiadores, profissionais ligados à literatura e comunicação social, religiosos, pesquisadores, professores que pretendam desenvolver o tema em sala de aula, profissionais de todas as áreas, estudantes universitários e interessados em geral.


Professor
Marcos Horácio Gomes Dias é Doutor em História Social pela PUC-SP; Mestre em História Social pela USP; pós-graduado em Arte e Cultura Barroca pelo Instituto de Filosofia, Arte e Cultura da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e Bacharel em Ciências Sociais pela USP. Tem experiência na área de História e Sociologia, com ênfase em História, atuando principalmente nos seguintes temas: História da Arte; História do Barroco e do Rococó; Arte e Cultura em Minas Gerais; Neoclássico, Império e século XIX no Brasil; Teoria da Cultura; Patrimônio Histórico; História da Produção da Imagem; Teoria da Comunicação e Realidade Socioeconômica e Política Brasileira.


Período: 03, 10, 17, 24, 31 de março, 07, 14, 28 de abril, 05, 12, 19, 26 de maio de 2021. (quartas-feiras)
12 dias de aulas
Aulas: 19h30 às 22h00 (intervalo para o café)
Carga horária: 36 horas
Valor: R$ 600,00 à vista ou R$ 690,00 (03 vezes)
Inscrições: mfatima@museuartesacra.org.br
Informações: (11) 5627.5393
Local: Museu de Arte Sacra de São Paulo
Endereço: Avenida Tiradentes, 676, Luz. Metrô Tiradentes.
Estacionamento gratuito no local: Rua Jorge Miranda, 43 (sujeito à lotação)
No final do curso o aluno receberá o certificado.


POLÍTICA DE CANCELAMENTO

→ Cancelamento do curso ou mudança de datas
Se o número mínimo de inscritos não for alcançado ou em caso de imprevistos, o curso poderá ser cancelado ou ter datas e horários alterados. Nesse caso, a equipe MAS entrará em contato com todos os inscritos para informar.

→ Vagas remanescentes e lista de espera
Caso receba um e-mail informando que sua inscrição está numa lista de espera, aguarde o contato da equipe MAS até 07 (sete) dias antes do início do curso. Se não receber o e-mail com as orientações de matrícula dentro deste prazo, significa que não houve nenhuma desistência e que não há vagas remanescentes para do curso em questão.

→ Cancelamento de matrícula
Para cancelar sua matrícula e pedir reembolso do valor pago, envie um email com sua solicitação no prazo máximo de até 07 (sete) dias antes do início do curso. Será devolvido 80% do valor pago.

Se o cancelamento da matrícula for efetuado após o prazo de 07 (sete) dias, não haverá devolução do valor pago, mas o participante poderá indicar outra pessoa para sua vaga, que gozará dos 100% já pagos.

Compartilhar