O Museu de Arte Sacra de São Paulo promove, no dia 08 de maio de 2019, o Café Teológico, com o tema Theotókos: a mãe de Deus “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós.” Jo 1,14, com a Profª. Ms. Hilda Souto.


Muito embora Nossa Senhora é conhecida por inúmeras denominações regionais no mundo inteiro como Aparecida, Lourdes, Guadalupe, Fátima, Lujan, Częstochowa e etc., e também invocada e venerada sob títulos que trazem uma grande multiplicidade de nuances em seu caráter tratando aspectos parciais das devoções (Desatadora dos nós, Nossa Senhora das lágrimas, Nossa Senhora das cabeças, Nossa Senhora da caridade, Nossa Senhora da estrada, Nossa Senhora da livração, Nossa Senhora das candeias, etc.), foi no Concílio de Éfeso, em 431, que recebeu o título de Teotókos, segundo a expressão grega, “Genitora de Deus”. Essa discussão teve início quando Nestório, patriarca de Constantinopla, afirmou que em Cristo haviam duas pessoas distintas: uma humana e outra divina, sendo assim, Maria seria somente mãe de Cristo. Em contraposição o Concílio instituiu que em Cristo não há divisão pois ele é Homem e Deus em uma só pessoa, portanto, Nossa Senhora é a “Mãe de Deus”.

Na exortação apostólica MARIALIS CULTUS, do Santo Padre Paulo VI, e nos documentos conciliares Lumen Gentium e Sacrosanctum Concilium, a ênfase recai sobre figura de Nossa Senhora que é sempre colocada em relação ao Cristo. Sua representação deve estar sempre voltada à vida de Cristo e da Igreja. Ela nunca vem só.

(…)Na Virgem Maria, de fato, tudo é relativo a Cristo e dependente d’Ele: foi em vista d’Ele que Deus Pai, desde toda a eternidade, a escolheu Mãe toda santa e a plenificou com dons do Espírito a ninguém mais concedidos.

(…) Parece-nos, contudo, sobremaneira conforme com uma certa linha espiritual seguida na nossa época, dominada e absorvida pela “questão de Cristo”, que nas expressões do culto à Virgem Maria se dê um relevo especial ao aspecto cristológico e se envidem esforços no sentido de elas refletirem o plano de Deus, o qual preestabeleceu “com um só e mesmo decreto a origem de Maria e da Encarnação da divina Sapiência”.

(MARIALIS CULTUS, 25. Nota trinitária, cristológica e eclesial no culto da Virgem Maria)


Palestrante
Profª. Ms. Hilda Souto
, graduada em Licenciatura em Artes pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP-SP), mestrado em Artes Visuais pela Universidade Júlio de Mesquita Filho (UNESP-SP) e doutoranda em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).


Café Teológico
Quando:
Quarta-feira, 08 de maio de 2019, das 17 às 19h
Local: Auditório do Museu de Arte Sacra de São Paulo
Endereço: Av. Tiradentes, 676 – Luz – Metrô Tiradentes
Estacionamento (ou alternativa de acesso): Rua Jorge Miranda, 43
Estacionamento sujeito à lotação
Investimento: R$ 20,00
Participantes receberão certificado de 03 horas de atividades complementares.
Informações: (11) 5617-5393 – com Fátima Paulino
Inscrições: mfatima@museuartesacra.org.br (favor enviar nome completo para  certificado) – Vagas limitadas

Compartilhar