Num período em que o papel feminino era relegado à segundo plano, em que a rotina das mulheres situava-se no contexto das atividades domésticas e familiares uma das poucas mulheres na São Paulo colonial ousou ser diferente. Quem foi a mulher que recebeu o designativo, qualitativo de “Mestre pintoira” ou “mestre doiradoura”, quem era Miquelina Constância das Chagas e quais atividades a mestra desenvolveu? Para quais irmandades trabalhou? A circulação dos pintores José Patrício da Silva Manso, Jesuíno do Monte Carmelo, Manuel do Sacramento e tantos outros já foi traçada, mas Miquelina ficou esquecida, foi apagada da história, agora seu nome ecoa nas igrejas coloniais em São Paulo e merece ser lembrado e sua coragem aplaudida. Vamos viajar no tempo e encontrar essa artista e empresária do barroco paulista.


Professora
Dra. Danielle Manoel dos Santos Pereira – Pós- doutoranda em História da Arte pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP. Doutora em Artes pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, bolsista FAPESP (2013-2017). Mestre em Artes pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”- UNESP, na linha de pesquisa: Abordagens históricas, teóricas e culturais da arte, com recursos da FAPESP (2010-2012). Especialista em História da Arte pela Universidade Cruzeiro do Sul (2010). Graduanda em Artes pelo Claretiano (em andamento). Graduada em História pelo Centro Universitário Assunção (2007). Desenvolve pesquisas sobre as Igrejas coloniais Barrocas no Brasil, sobretudo da região de Diamantina (MG) e Mogi das Cruzes (SP), com ênfase nas pinturas ilusionistas no forro das Igrejas e Curadoria sobre a Arte Barroca paulista. Membro do Grupo de Pesquisa Barroco Memória Viva: da arte colonial à arte contemporânea. Possui diversos capítulos de livros, artigos e trabalhos científicos publicados sobre a pintura colonial e arte sacra.


Data: 26 de outubro de 2019 (sábado)
Horário: às 14h
Atividade gratuita
Não é necessário fazer inscrição, por ordem de chegada, capacidade da sala 70 lugares.
Informações: (11) 5627.5393 – mfatima@museuartesacra.org.br
Local: Museu de Arte Sacra de São Paulo
Endereço: Avenida Tiradentes, 676, Luz. Metro Tiradentes.
Estacionamento gratuito (ou alternativa de acesso): Rua Jorge Miranda, 43
Estacionamento sujeito à lotação
Ao final da palestra será oferecido o certificado de participação.

Compartilhar